domingo, 16 de dezembro de 2018

Natal Iluminado 2018, na Praça Fausto Cardoso, em Aracaju

Foto reproduzida do Facebook/Sesc em Sergipe

Sancristovenses participam de Natal da Gente Sergipana










 








Fotos: Márcio Garcez

Publicado originalmente no site São Cristóvão, em 15/12/2018

Sancristovenses participam de Natal da Gente Sergipana

Oportunidade para mostrar a produção artesanal e gastronômica do município. Assim, até o próximo domingo (16), artesãos e culinaristas de São Cristóvão participam da sexta edição do Natal da gente Sergipana, através da “Feirinha da Gente”. O evento é realizado pelo Instituto Banese, através do Museu da Gente Sergipana Governador Marcelo Déda e com apoio do Governo do Estado.

Através do projeto “Origine-SE”, as artesãs da Casa das Bonecas montaram um dos estandes mais visitados do local. Retratando em forma de bonecos de pano, os componentes do folclore sergipano, a riqueza dos detalhes se torna uma lembrança para os visitantes que admiram a cultura sergipana.

“Esta é a segunda fez que participamos da Feirinha da Gente, através da produção feita pelo projeto Origine-SE, onde retratamos as figuras das estátuas do Largo da Gente Sergipana. Esse trabalho é resultados de meses de estudo, pesquisa e confecção das peças. São bonecos que se tornam peças de decoração justamente pela qualidade da matéria-prima. Toda participação em eventos públicos desse porte é essencial para nós que somos artesãos. Toda participação vira vitrine para nossa arte. Queremos sempre participar mostrando a riqueza de nossa cultura, de nosso folclore”, contou Maria Anair dos Santos Reis (Tatá Bonequeira).

Mesmo sem estar presente no evento, a doceira Dona Marieta da Casa das Queijadas enviou suas produções gastronômicas para o Natal da Gente Sergipana. A filha dela, Marta Angeliza Santos Goes trouxe as populares queijadas, além de cocadas e doces caseiros que são verdadeiras referências de São Cristóvão para o mundo.

“Sempre participamos deste evento de Natal do Museu da Gente, pois compreendemos a importância de levarmos nossos produtos para todos os públicos, seja de dentro de São Cristóvão ou de fora da cidade. É fundamental saímos do espaço físico da loja, divulgarmos nossa produção em outros pontos e para públicos diversos”, pontuou.

Entre tantas opções de lanches, Valéria Matos escolheu os doces de São Cristóvão. “Não resisti e comprei as cocadinhas. Já conheço os doces da cidade e já experimentei as queijadinhas que são maravilhosas”, enfatizou.

Festa

Esta é a sexta edição do Natal da Gente Sergipana, e que celebra também o sétimo ano de inauguração do Museu da Gente Sergipana Governador Marcelo Déda. Segundo o diretor superintendente do Instituto Banese, Ezio Déda, a festa deste ano tem vários motivos para ser comemorada.

“Além do aniversário do museu, estamos comemorando também a inauguração do Largo da Gente Sergipana, fomos classificados como o primeiro, dos cinco museus, mais visitados do Nordeste, segundo o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), recebemos a Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, e o Largo da Gente Sergipana, recebeu o prêmio ‘Destino Aracaju’. Mais recente, também recebemos a Comenda de Incentivo à Cultura Luís Câmara Cascudo, do Senado Federal. Tudo isso são premiações pelas ações culturais que estamos desenvolvendo no Museu da Gente Sergipana Governador Marcelo Déda, e nosso Natal já é uma tradição onde reunimos feirantes e artesãos de todos os cantos do Estado. Nossa preocupação é integrar sempre mais pessoas e atrair mais visitantes para o museu”, disse.

Texto e imagens reproduzidos do site: saocristovao.se.gov.br

sábado, 15 de dezembro de 2018

O Araripe Coutinho que convivi

Araripe Coutinho (foto: Lúcio Telles)

Publicado originalmente no site Bacanudo, em 13/12/2018

O Araripe Coutinho que convivi
Por Márcio Lyncoln (Bacanudo)

Lembrar de 'Araripe Coutinho' me faz viajar no tempo e recordar infinitos momentos de variados papos, muitas risadas, discussões fartas sobre os mais diversos assuntos, alguns até apimentados - o que ele tinha predileção -, com direito até a trocas de farpas, porque em muitas situações só ele era o dono da verdade, só ele sabia e exigia que fosse acatado o que ele afirmava, dentro do seu gênio intempestivo e todo próprio de ser, o que gerava também uma certa admiração da personalidade forte que ele mantinha sem a menor chance de pedir permissão para alguma coisa, o que não enxergo como problema algum, desde que saibamos respeitar as individualidades e idiossincrasias de cada um.

Fora isso, existia um lado doce, dedicado, prestativo e debochado, banhado por um senso de humor e crítica inigualável, o que me fazia esquecer até as grosserias e desligamentos de telefones sem a conclusão do papo, quando a vontade sentida era a de entrar pelo aparelho e estrangular a criatura.

Mas, quando menos se esperava, lá estava ele de volta, à procura, falando manso e suave, como se nada houvesse acontecido. E não dava outra, voltava-se tudo ao normal até o próximo coice ou grosseria. Acostumar-se com essas atitudes dele já era de praxe e já faziam parte do embrião que formava e solidificava a amizade. Difícil era sentir raiva dele por um longo período. Logo, logo viria um bom tema a ser a discutido ou uma bela e inspiradora poesia para acalmar os nervos inflados pela ira.

Esse foi o 'Araripe Coutinho' que eu convivi e inclui no núcleo de amigos indispensáveis no dia a dia. Aquele ser birrento como uma criança que quer um brinquedo ou um doce, mas que dentro de algum instante já estava às gargalhadas contando uma façanha, falando de uma nova paquera ou até mesmo criticando algo, alguém ou alguma situação, sem papas na língua presa.

Foi esse mesmo 'Araripe', que amava reuniões em torno da mesa para momentos fartos de comilança, de boa música, de poesia e de conversas jogadas ao vento, que me ensinou a gostar de 'Hilda Hilst', de admirar e entender o lado polêmico, rasteiro, porém inteligente e sagaz de 'Paulo Francis', de ouvir 'Nina Simone'..., de ansiar por um mundo mais justo, vida real, longe das tramas folhetinescas da televisão.

Os anos passam, a saudade cresce e sempre ecoará nos meus ouvidos quando ele se dirigia a mim, nos seus momentos de alegria elevada ao máximo, gritando em alto e bom som: “Estreeeelaaa”. 

A estrela na verdade era e sempre foi ele, habitando hoje uma constelação aparentemente longe daqui. Se hoje, 13 de dezembro, ainda estivesse entre nós, sem dúvida alguma iríamos brindar e gargalhar na comemoração dos seus 50 anos, como 'alguém que sempre esteve aqui'.

Texto e imagens reproduzidos do site: bacanudo.com

Alunos do Colégio do Salvador assistem e debatem curta-metragem...

Alunos e diretora do filme

Publicado originalmente no site Comunicação VIP, em 14 de setembro de 2018

Alunos assistem e debatem curta-metragem com diretora do filme

Cerca de 70 alunos do 9º Ano do Colégio do Salvador participaram de uma atividade multidisciplinar diferente na quinta-feira (13). Em sala de aula, eles assistiram ao curta-metragem ‘Bolha’, dirigido por Júlia Duarte, estudante da Escola de Cinema de Barcelona e ex-aluna da escola. Após a exibição, as turmas reuniram-se na quadra de esportes, para um debate com a diretora do filme. O objetivo foi despertar a reflexão acerca do tema central do curta – as relações familiares, de modo diferenciado e por meio de uma linguagem interativa, além de tratar das características da narrativa cinematográfica.

A ideia de exibir o curta aos alunos partiu da própria diretora, que terminou o Ensino Médio no Colégio há três anos e exalta o amor que sente pelo ambiente escolar responsável por sua aprendizagem. De acordo com ela, o Bolha fala sobre a falta de comunicação familiar e o quanto é difícil ter uma má convivência ou falta de intimidade com a família com a qual se convive.

“A proposta é fazer uma reflexão geral sobre o tema, mostrar um pouco do processo cinematográfico, de como se faz um filme. Mostrar que tem muitas cabeças pensantes por traz de uma peça cinematográfica, que (os filmes) estão ali para conduzir suas emoções e que isso pode ser bom ou não. Temos exemplos de filmes comerciais e outros fora do eixo que estão lá conduzindo muitos pensamentos da sociedade em si. É bom se conscientizar para ter pensamento próprio sobre isso, um pensamento crítico”, explica Júlia, que já gravou dois curtas e está lançando um terceiro filme no final do mês.

Para o professor de Sociologia e Filosofia Arivaldo Montalvão, que ajudou a mediar o debate, Júlia sempre demonstrou uma trajetória diferente, de muita criatividade, e por isso resolveu trilhar o caminho do cinema. “O interessante é que os curtas que ela fez não estão nesta linha do que chamamos de indústria cultural. São curtas que fazem a pessoa refletir. Não tem um final definido. São interessantes para este processo de reflexão dos alunos, para estimulá-los a pensar. Na terça-feira, dia 11, isso foi feito com alunos do Ensino Médio.  No documentário que vimos hoje, fala-se da questão familiar, das relação em família. É importante fazer os alunos refletirem sobre essas questões, sobre o que é família hoje e como era no passado. Como se dá esse relacionamento hoje? Essa bolha da qual ela está falando é ou não é? Existem diferentes bolhas dentro da casa? São questões que colocamos aqui”, diz.

Durante o debate, a aluna Maria Carolina Lopes mostrou suas impressões a partir do filme: “nós criamos e idealizamos aquilo que é perfeito e achamos que seremos felizes com aquilo. Mas tem coisas por trás daquilo que se vê que precisam ser analisadas”. Já o aluno Gabriel Lyra fez outra observação: “percebi, em determinada cena entre pai e filho (em que o filho aparece pequeno e depois já crescido), que a mensagem passada é de que a família não percebeu muito a evolução dele de criança para adulto”.  E Júlia Duarte logo reforçou o debate: “fico feliz de ter provocado este pensamento. Cinema é cheio de truque. Mostrei que a comunicação entre eles não mudou em nada ao longo do tempo. Mostra que não há diálogo”.

Em meio aos questionamentos e observações feitos no debate, o professor Biologia, Cleverton, destacou que, “com todas essas visões colocadas aqui, percebe-se que, na hora em que o filme é lançado, ele não pertence mais à diretora do filme. Os significados serão construídos por cada um de nós, envolvem nossa cosmovisão. A interpretação não é mais de Júlia. A arte continua em cada um, que passa a ser co-autor daquilo. Foi importante ver no filme, além da ideia de estereótipo e as relações sociais na vida moderna, a efemeridade do tempo. O tempo nos aprisiona e, ao mesmo tempo, nos cobra uma velocidade”.

Texto e imagem reproduzidos do site: comunicacaovip.com.br

2019: Ano Cultural Poeta Santo Souza

Foto: Divulgação/Internet de José Santo Souza

2019: Ano Cultural Poeta Santo Souza

Por Luciana Botto - Rede Alese

Aprovado na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) PL 129/2018 de autoria da deputada estadual Ana Lula (PT), que institui o ano de 2019 como o “Ano Cultural Poeta Santo Souza”, em comemoração aos 100 anos de seu nascimento. O PL segue agora para o Poder Executivo para ser sancionado e regulamentado.

A proposta, tem o objetivo de homenagear José Santo Souza, mais conhecido como Santo Souza, poeta, natural da cidade de Riachuelo, membro da Academia Sergipana de Letras, membro efetivo da Associação Sergipana de Imprensa e membro correspondente da Academia Paulista de Letras, em razão da sua imensurável contribuição à cultura de Sergipe.

Segundo justificativa, Santo Souza é o poeta com maior número de obras fundamentada no orfismo (corrente que trata de temas sacros, o bem e o mal contidos na natureza humana). Para Ana Lula, a poesia do escritor busca mostrar as condições humanas, as divindades, bem como os heróis mitológicos, criando elo entre o passado e o presente, onde Santo Souza se torna intérprete do futuro.

“Santo Souza foi sem dúvidas, um dos mais importantes literatos que Sergipe já teve! Reconhecer a relevância de seus poemas é manter viva a memória de Santo Souza com o registro histórico de nossa cultura”, ressaltou a deputada estadual Ana Lula

Fica estabelecido que no ano de 2019, podem ser promovidos seminários, palestras e audiências públicas sobre a vida e obra de Santo Souza, bem como sobre a literatura sergipana e os seus respectivos representantes; os eventos organizados devem envolver atividades que visem a promoção de debates, como também discussões sobre a literatura sergipana; e entidades da sociedade civil organizadas envolvidas com a temática, em especial a Academia Sergipana de Letras, pode criar, independente da criação pelas secretarias do estado, comissões de organização de debates, seminários, audiências e eventos.

Texto e imagem reproduzidos do site: al.se.leg.br

REGISTRO - I Mostra Sabores e Saberes, na Orla de Atalaia, em Aracaju





Publicado originalmente no site Agência Sergipe de Notícias, em 14/12/2018 

REGISTRO - Parceria entre Sebrae e Setur marca o sucesso da I Mostra Sabores e Saberes

A Mostra, iniciada nesta quinta-feira, 13, segue até esta sexta, 14 de dezembro

O Oceanário do Projeto Tamar, localizado na Orla de Atalaia, foi palco da I Mostra Sabores e Saberes, promovido pelo Sebrae Sergipe, através do Projeto ‘Negócios em Economia Criativa’. A iniciativa contou com a parceria da Secretaria de Estado do Turismo (Setur). A Mostra, iniciada nesta quinta-feira, 13, segue até esta sexta, 14 de dezembro.

O projeto tem como propósito a valorização da culinária típica das comunidades tradicionais de Sergipe e estimula a criação de novas receitas de pratos principais, entradas, acompanhamentos, sobremesas e temperos com ingredientes regionais em parceria com Chefs de Aracaju. A intenção é colocar em evidência os saberes dos povos ancestrais, que se perpetuam através da tradição passada de geração em geração em todo o estado sergipano.

A gerente da Unidade de Relações Institucionais do Sebrae, Júlia Vasconcelos, explanou sobre a ideia do evento e agradeceu a parceria com a Setur. “A Mostra Sabores e Saberes de Sergipe pretende trazer ao público a importância de valorizarmos a nossa memória gustativa, através do resgate dos saberes da culinária ancestral e das comunidades. Vale ressaltar que todas as parcerias foram fundamentais para construção do evento, e aproveito a oportunidade para agradecer a Setur por todo apoio logístico e dos profissionais do Prodetur que auxiliaram neste projeto”, afirmou.

Durante a Mostra são realizadas palestras, rodas de conversa e aulas show em espaço reservado dentro do próprio Oceanário.

A assessora especial de turismo da Setur, Léa Duarte, se mostrou bastante entusiasmada. “Sergipe possui uma riqueza cultural e gastronômica fantástica e esse projeto foi bastante planejado e desenvolvido com muita dedicação. Durante os dois dias o público terá a oportunidade de saborear uma infinidade de pratos e ainda obter mais conhecimento pelas palestras e as aulas show”, salientou.

Conhecida como “dona Santaninha”, a expositora de São Cristóvão, Tânia Santos, trouxe para a Mostra os tradicionais doces da região e algumas novidades. “Eu gosto demais de participar dessas feiras que o Sebrae realiza, pois é uma forma de divulgar nosso trabalho. No meu estande eu tenho balinhas de leite, doce de caju ameixa e o carro-chefe o “bom bocado” que é uma sobremesa de baba de moça elaborada com coco verde, bolo de macaxeira e uma cocadinha de mandioca. Ou seja, bom demais!”, justificou.

Participam da Mostra as comunidades tradicionais Mussuca e Filhos de Obá (comunidade quilombola e de terreiro de Laranjeiras), Mocambo e Índios Xocós (comunidade quilombola e indígena de Porto da Folha), Maloca (comunidade quilombola de Aracaju e o único quilombo urbano reconhecido no país), Doceiras do Povoado Cabrita (São Cristóvão), Associação das Marisqueiras e Associação das Catadoras de Mangaba da Ribuleirinha (Estância), tendo ainda os artesanatos, pães caseiros, doces, geleias de Pacatuba, Propriá, Brejo Grande, Neópolis, Santana do São Francisco e Estância. “A Mostra será aberta ao público em geral, que poderá consumir os pratos regionais a preços promocionais, das 16h00 às 22h00, desfrutando de apresentações culturais e boa música”, acrescentou Júlia Vasconcelos.

Além da Setur, por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), apoiam o projeto, a Fecomércio - SESC/Senac, o  Oceanário do projeto Tamar, o Curso de Gastronomia da Universidade Tiradentes (Unit), a Casa São Francisco, a Cachaça Xingó e a Prefeitura Municipal de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Indústria, Comércio e Turismo (SEMICT).

Convidados

Dan Duarte (Dona Divina), Fernando Fraga, François Ozanne, Gui Fontes (Singela Cozinha), Luciano Moreira, Roberta Nascimento (La Vecchia), Seichelle Barboza (Seu Sergipe), Suellen Lima (Mostarda Bistrô), Tâmara Cavalcante e Yasmim Rosendo são os Chefs sergipanos que apadrinham as comunidades tradicionais, auxiliando na apresentação dos pratos típicos e na criação de novas receitas, sem perder a essência dos seus ingredientes. Já os Chefes convidados de outros estados são Danielle Dahoui, Lui Veronese, Mauricio Maia e Junior Ayoub.

Texto e imagens reproduzidos do site: agencia.se.gov.br

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Homenagem ao cantor sergipano JOSÉ AUGUSTO

Cláudia Maria da Silva Mota, do Colégio Estadual General Siqueira, em Aracaju



Publicado originalmente no site da Agência SE., em 13 de Dezembro de 2018

Aluna do Colégio Estadual General Siqueira fica em 1º lugar regional em Concurso de Redação da Marinha do Brasil

O tema da Redação para o ensino fundamental foi “No mar, segurança em primeiro lugar”

A aluna Cláudia Maria da Silva Mota, do Colégio Estadual General Siqueira, localizada em Aracaju, foi a vencedora da etapa regional BA/SE do ensino fundamental do Concurso de Redação da Operação Cisne Branco 2018. O tema da Redação para o ensino fundamental foi “No mar, segurança em primeiro lugar”. A estudante recebeu a premiação na manhã de terça-feira (11), na cidade de Salvador (BA).

Para participar do Concurso de Redação da Marinha do Brasil, a aluna contou com a orientação da professora de Artes, Ana Paula Valeriano Carvalho. De acordo com a orientadora, tudo começou quando o Tenente Diego ligou para a escola perguntando se os alunos gostariam de participar do concurso. “Dei uma explicação geral para a Cláudia, fiz uma comparação com o trânsito normal das ruas, citei alguns acidentes para exemplificar e mostrar que precisamos estar atentos à segurança no mar. O tenente ministrou uma palestra na escola e depois a aluna começou a desenvolver a redação. Fui fazendo as correções, sem intervir no conteúdo, enviamos para a Marinha e agora recebemos essa maravilhosa notícia”, disse a professora.

Ainda segundo Ana Paula, nove escolas estaduais sergipanas participaram do concurso. Ela destacou que a premiação da aluna Cláudia Mota é um incentivo para os estudantes da rede pública. “É uma prova de que a nossa luta diária vale a pena e que devemos investir na escola pública. Mexeu com o fascínio do adolescente, de conhecer coisas novas, de se ver em uma outra profissão. Foi uma honra saber que a nossa aluna foi premiada”, afirmou.

A aluna Cláudia recebeu como premiação um troféu e uma bicicleta. “Para mim é uma honra estar aqui e receber esse prêmio. Não consigo nem descrever a minha emoção. Foi a primeira vez que participei de um concurso de Redação e estou me sentindo muito realizada com essa conquista”, declarou.

Texto e imagens reproduzidos do site: agencia.se.gov.br

Orquestra Sinfônica de SE. no Natal Iluminado, Pça. Fausto Cardoso, em Aracaju














Clique para ampliar
Maestro Guilherme Mannis
Fotos: Edinah Mary

Publicado originalmente no site da PMA, em 13/12/18 

Mais uma atração é aprovada pelo público no Natal Iluminado da Praça Fausto Cardoso

Ao som do concerto da Orquestra Sinfônica de Sergipe, o público presente nesta quarta-feira, 12, na Praça Fausto Cardoso, se envolveu com cada música orquestrada pelo maestro Guilherme Mannis, e admirou a linda decoração natalina. A apresentação faz parte da programação do Natal Iluminado 2018, um projeto da Prefeitura de Aracaju, através da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio-SE), a Energisa e a Celse Centrais Elétricas de Sergipe S. A.

Guilherme Mannis, diretor artístico e regente titular da Orquestra Sinfônica de Sergipe, falou sobre o prazer de se apresentar na programação de Natal da Praça Fausto Cardoso. “É importante porque nós temos maior contato com o público e também com aqueles que não vão ao teatro regularmente. É uma honra estarmos ligados a programação de natal que é realizada na nossa própria cidade. A praça está lindamente decorada, deixando o ambiente mais harmônico para que a orquestra e os coros tragam algo a mais”, avaliou o maestro.

Com olhares cheios de encanto, as pessoas passeiam pela praça, param a cada decoração e fazem seus registros juntos as suas famílias e amigos. Para a autônoma Leilane Moura, que foi acompanhada da sua filha, a praça está encantadora e com essa música ficou tudo ainda mais atraente. “Um gesto bonito para o natal, pois traz um pouco de paz para as famílias, para as nossas crianças. Minha filha mesmo adora olhar tudo, passear, fotografar e ver os olhinhos dela encantados com tudo é muito importante pra mim”, disse.

O visitante assíduo da Praça Fausto Cardoso no período natalino, o empresário José Idelfonso Alves, falou um pouco sobre as mudanças no Natal Iluminado da cidade neste ano. “Já tem muito tempo que eu visito essa praça e nunca vi tão iluminada como está hoje e neste Natal. Está com um ar de paz, festivo, e bem movimentada, bem limpa e com segurança. Natal em Aracaju, neste ano de 2018, está maravilhoso. Estou muito feliz”, comemorou.

Até o dia 6 de janeiro de 2019, ainda serão realizadas várias apresentações culturais, com muito entretenimento e lazer na Praça Fausto Cardoso. Pelo convênio firmado, a Prefeitura se responsabilizou por toda a infraestrutura necessária à realização do evento, além de garantir a segurança e a limpeza pública. Já a Fecomércio ficou responsável pela decoração natalina, a Energisa pelo fornecimento de energia para a iluminação da praça,e a Celse Centrais Elétricas de Sergipe S. A para o calçadão da rua João Pessoa. Foram investidos aproximadamente R$ 500 mil para execução do projeto.

Texto e imagens reproduzidos do site: aracaju.se.gov.br

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Manifestações Folclóricas





Clique na imagem para ampliar
Imagens reproduzidas da fanpage no 
Facebook/Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe