quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Arthur Bispo do Rosário ganha exposição na Casa Museu Eva Klabin, no Rio

Obra ‘Balança’ faz parte da mostra ‘Flutuações’.

Fotos: Rodrigo Lopes/ Divulgação.

Publicado originalmente no site do Jornal da Cidade, em 19/09/2017

Arthur Bispo do Rosário ganha exposição na Casa Museu Eva Klabin, no Rio

“Flutuações” apresenta obras inesquecíveis de um dos maiores nomes da arte contemporânea brasileira.
 
A Casa Museu Eva Klabin apresenta, novamente à Zona Sul do rio de Janeiro, obras de Arthur Bispo do Rosário em Flutuações, exposição que marca a 22ª edição do projeto Respiração, com curadoria de Marcio Doctors. Considerado uma das maiores referências da arte contemporânea brasileira, Bispo do Rosário é o primeiro artista morto a ser convidado para participar do projeto, que faz parte do circuito vip do ArtRio. A exposição acontece até o dia 14 de janeiro de 2018.

Em Flutuações, nada na Casa será tirado do lugar e as obras de Bispo do Rosário não encostarão em nenhum objeto já presente. As doze obras selecionadas ficarão suspensas, como se estivessem flutuando, espalhadas pela sala renascença, hall principal, sala inglesa, sala de jantar, sala verde, quarto de dormir, closet e banheiro. No auditório com capacidade para 80 pessoas, será exibido o filme “O Prisioneiro da Passagem” (Hugo Denizart, 1982), onde é possível conferir depoimentos e imagens exclusivas de Bispo do Rosário.

“’Flutuações’ nos traz dois personagens que viveram em uma mesma época, numa mesma cidade, atravessaram o mesmo tempo, mas que eram totalmente distintos. Com diferentes perspectivas e percepções do mundo que os cercava, criaram suas próprias realidades, que podem ser interpretadas a partir de suas particularidades e diferenças sociais, nos deixando um legado singular de suas passagens pelo mundo. Hoje, duas grandes potências espirituais, Eva Klabin e Arthur Bispo do Rosário, se encontram, sem se encostar, como foi assim em vida, em uma intervenção reflexiva e emocionante, marcando a 22ª edição do Respiração”, disse o curador Marcio Doctors.

O artista

Arthur Bispo do Rosário nasceu em 1909, na cidade de Japaratuba, em Sergipe. Nordestino, negro e semianalfabeto, alistou-se como marinheiro no Quartel Central do Corpo de Marinheiros Nacionais, no Rio de Janeiro, em 1926. Sete anos depois, foi desligado da Marinha por indisciplina.

Em 1938, teve seu primeiro surto. Na noite de 22 de dezembro daquele ano, saiu em uma espécie de peregrinação para uma apresentação na igreja da Candelária. Foi dado como louco e encaminhado ao Hospital Nacional dos Alienados, na Praia Vermelha, onde o diagnosticaram como portador de esquizofrenia paranoide. Tempos depois, foi transferido para a Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, e alojado em uma ala reservada aos pacientes mais agressivos e agitados.

Após uma série de idas e vindas a instituições psiquiátricas diversas, Bispo retornou definitivamente à Colônia em 1964 e, a partir daí, iniciou sua extensa produção de objetos. Ainda naquele ano, após ser preso em uma solitária, ouviu uma voz, que lhe deu sua missão: a de representar “os materiais existentes na Terra para o uso do homem”. Com o aumento de sua produção, expandiu seu espaço para as dez solitárias do pavilhão.


Ao longo de 50 anos, Bispo produziu mais de 800 objetos em um processo contínuo. Em seu processo criativo, aproveitou-se de tudo que tinha à mão para a produção de bordados, objetos e esculturas. Em um trabalho meticuloso, desmanchava os uniformes dos internos, retirando deles as linhas que serviriam como matéria-prima para a trama de suas peças. Talheres, tênis e garrafas - tudo era reaproveitado pelo artista que, ordenado por um deus, era incumbido a inventariar o mundo.

Texto e imagens reproduzidos do site: jornaldacidade.net

Fã do Gbarbosa ganha festa de aniversário com o tema do supermercado

“Você quer a festa de Chaves ou do GBarbosa?”

Publicado originalmente no site do Cinform, em 19 de setembro de 2017.

Fã do Gbarbosa ganha festa de aniversário com o tema do supermercado

Por Adriano/TAC/Cinform

Cícero Santana Santos vive com a mãe, Dona Zenilde, no bairro Lamarão, em Aracaju (SE) e é fã da rede de supermercados GBarbosa, onde costuma ir diariamente desde a adolescência. Neste último domingo, 17 de setembro, ao completar 40 anos, essa paixão foi retribuída pela marca e pela família com uma festa de aniversário.

Dona Zenilde conta que os passeios começaram aos 15 anos de idade. “Na época nós morávamos muito perto do supermercado do bairro Santo Antônio e ele sempre dava um jeito de sair de casa e ir para lá. Conhecido de todos os funcionários da loja,  ele voltava sempre com alguma sacolinha ou placa de promoções que guarda no quarto”, relata a mãe.

Família e amigos reunidos

Chegado o momento para comemorar os marcantes 40 anos de idade, foi a irmã de Cícero, Jane Cleide Santana Melo da Silva, que perguntou sobre o tema da festa: “Você quer a festa de Chaves ou do GBarbosa?”. “A resposta foi imediata: GBarbosa. A partir daí, nós da família já fomos pensando em como fazer a festa, então surgiu a ideia de entrar em contato com a empresa”, conta.

Quem atendeu ao chamado foi a coordenadora de Trade Marketing da rede, Kátia Leite. “Eles nos trouxeram a proposta e resolvemos apostar nesse sonho de Cícero. Organizamos a festa junto aos familiares e pessoas da comunidade”, conta Kátia. “É a primeira vez que o GBarbosa faz uma ação como esta, foi algo que comoveu todos da empresa”.

A festa teve direito a decoração com a temática do GBarbosa, chapéus para os convidados, deliciosos quitutes e inclusive uma das figuras destaques no evento: um boneco igualzinho ao Cícero segurando uma das suas tão queridas sacolinhas da rede de supermercado. O tema inusitado atraiu a atenção de amigos e familiares que bateram fotos a todo momento da mesa central.

Tímido e não muito adepto às palavras, o que não faltou em Cícero foi alegria. Ele desfilou pela festa de aniversário sendo abraçado pelos amigos, vizinhos e pela equipe do GBarbosa, que também se fez presente.

P.S.: Atenção Pescatore, Onnu, Shouri… sou fã demais, blz?! Vlw. Flw.

Texto e imagem reproduzidos do site: cinform.com.br

1º Encontro de Grafiteiros de Socorro acontece dia 30


Publicado originalmente no Portal Infonet, em 18/09/2017.

1º Encontro de Grafiteiros de Socorro acontece dia 30

Cerca de 200 metros de muro serão compartilhados com artistas

Os muros do SESI ganharão cara nova, no próximo dia 30 de setembro, às 9 horas, com a realização do 1º Encontro de Grafite de Nossa Senhora do Socorro. Promovido pelo Projeto Pescando Memórias em parceria com Coletivo Socorreria Arte Urabana, o evento irá reunir uma série de atividades abertas ao público, divulgadada pela #JuventudePazDemocraciaCidadania.

Cerca de 200 metros de muro serão compartilhados por vários artistas e grafiteiros. No evento também haverá um “Desafios de Graffiti”, espaço aberto para apresentações culturais e área de lazer infantil. Segundo os coordenadores do Pescando Memórias, Givanildo Santana e Isabela Bispo Santana, o objetivo do encontro é despertar o olhar da sociedade para o grafite enquanto uma arte urbana.

“Nossa intenção é que grafite seja visto com menos preconceito e que os jovens grafiteiros sejam reconhecidos pelo seu trabalho elevando a autoestima deles”, afirmou Isabela. “Como o muro fica em um local de bastante visibilidade, por ser ao lado do Shopping, esperamos que as pessoas vejam esta arte com um olhar menos rotulado”, acrescentou Givamildo. O Encontro acontece na Av. Coletora “A”, conj. Marcos Freire I, ao lado do Shopping Prêmio em Nossa Senhora do Socorro.

Sobre o Projeto
O Pescando Memórias, de Sergipe, iniciou com o Edital de Oficinas Culturais, oferecido pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), e a partir de então ganhou forças e conquistou parcerias. É voltado para a educação patrimonial de crianças e jovens carentes da comunidade ribeirinha do povoado de São Braz, que fica às margens do Rio do Sal, em Nossa Senhora do Socorro. Em 2016 ficou entre as oito ações de preservação do patrimônio e da memória da cultura brasileira, vencedoras da 29º Edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade.

SERVIÇO:

1º Encontro de Grafite de Nossa Senhora do Socorro
Data: 30 de Setembro de 2017
Horário: das 9hs às 17hs
Local: Av. Coletora “A”, conj. Marcos Freire I (ao lado do Shopping Prêmio), Socorro – SE

Fonte e foto: Secult.

Texto e imagem reproduzidos do site: infonet.com.br

Museu Afro Brasileiro em Laranjeiras será reformado

Investimento será financiado pelo BID (Foto: Secult)

Publicado originalmente no site do Portal Infonet, em 19/09/2017.

Museu Afro Brasileiro em Laranjeiras será reformado

Parte dos recursos será para seleção e contratação da empresa

O Governo do Estado de Sergipe e a Secretaria de Estado do Turismo, através dos recursos do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo em Sergipe – Prodetur/Se financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), irá utilizar parte dos recursos para a seleção e contratação de serviços de consultoria na “Elaboração de projetos de modernização de museus, centros culturais e patrimônio, incluindo projeto museológico/interpretativo”. Sendo assim, o programa torna pública a licitação que visa a contratação desta empresa, que irá atuar, efetivamente, na elaboração do projeto Arquitetônico e de Engenharia para Restauração e Ampliação do Museu Afro Brasileiro em Laranjeiras/SE.

As empresas ou instituições interessadas deverão apresentar informações que demonstrem suas qualificações para executar os serviços, mediante a apresentação de portfólios, folhetos, descrição de serviços semelhantes ou experiências anteriores em condições similares, disponibilidade de pessoal que tenha conhecimentos pertinentes e resumo curricular da equipe técnica.

Atribuições necessárias

Os serviços de consultoria incluem a atualização/revisão e complementação do Projeto Arquitetônico e Engenharia (Complementares) para Restauração e Ampliação do Museu Afro Brasileiro em Laranjeiras/SE, compreendendo majoritariamente: elaboração de plano de trabalho; elaboração de plano museológico desenvolvido em quatro etapas (planejamento, diagnóstico, proposta preliminar do plano museológico, plano museológico); elaboração de projeto expográfico e museográfico; elaboração de projeto de avaliação de potencial de impacto ao patrimônio arqueológico; elaboração de projeto de acessibilidade; realização de estudos de viabilidade técnica e econômica; além de  atualização, revisão e complementação dos projetos.

A equipe do projeto deverá contar, entre outros profissionais, com coordenador, museólogo, arqueólogo, especialista em estruturas, economista, especialista em restauro/revitalização, design gráfico, engenheiro civil, engenheiro eletricista e especialista em assistência social.

Mais informações sobre este processo de licitação podem ser obtidas na Comissão Especial de Licitações da Secretaria de Estado do Turismo (SETUR), localizada na Rua Marieta Leite, no 301, Bairro Grageru, em Aracaju, entre às 8h e 13h. As Manifestações de interesse deverão ser entregues na forma escrita (pessoalmente, por correio ou meio eletrônico) até 20/09/17 às 13h.

*Com informações da equipe do Prodetur/SE.

Texto e imagem reproduzidos do site: infonet.com.br

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Projeto da Emef José Conrado de Araújo leva aulas de música aos alunos

 Depois do grupo, Liliane aprendeu mais
 sobre respeito às diferenças.

 Adenilson se sente bem em fazer parte do projeto.

 Fabiano Bispo é o professor que lidera os jovens.



Projeto MusicArt é composto por cerca de 20 alunos da Emef 
Fotos: Silvio Rocha.

Publicado originalmente no site da PMA, em 19/09/2017.

Projeto da Emef José Conrado de Araújo leva aulas de música aos alunos

Das notas marcantes do sax, aos acordes do baixo, o projeto MusicArt, criado há três anos como uma extensão do programa Mais Educação, tem propiciado aos alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental José Conrado de Araújo, no bairro São Conrado, não só uma opção de entretenimento cultural, mas também um contato mais aprofundado com a música e a chance de iniciar uma carreira artística.

Liderado pelo professor de música que atua no ramo há 18 anos, Fabiano Bispo, o projeto atende cerca de 20 alunos, a partir do 4° ano do Ensino Fundamental, que ensaiam uma vez por semana no espaço da escola após as aulas. "Com o projeto MusicArt a gente pretendia ensinar a musicalização aos alunos, para que eles tivessem a oportunidade de aprender e se apresentar em outros lugares, como já vem acontecendo. Para mim é uma alegria poder contribuir com a criação de oportunidades para esses jovens que estão sujeitos a um ambiente de vulnerabilidade, que não têm condições de pagar um instrumento ou uma escola de música", conta o professor.

Um dos maiores objetivos do projeto é tornar a banda cada vez mais profissional e ampla, já que o número de participantes vem aumentando, assim como a inquestionável dedicação do professor que atua voluntariamente. "Antes os instrumentos eram só de sopro, como o sax, o trompete e a clarineta. Agora já contamos com baixo, bateria, guitarra, teclado, e almejamos desenvolvê-la cada vez mais, para que logo mais a banda se torne sinfônica", ressalta Fabiano.

Com o repertório sempre diversificado, que perpassa por gêneros musicais desde a MPB, até o pop e a música clássica, o grupo tem conquistado não só o público externo, mas também a coordenadora adjunta da escola, Carla Cristina. "Eu sou fascinada, e até um pouco suspeita para falar sobre esse projeto, porque gosto muito e vejo isso como uma ferramenta pedagógica importantíssima, não só por ser arte, mas também por ela contribuir com o desenvolvimento pessoal e com o rendimento escolar desses estudantes. Os adolescentes que participam do MusicArt têm mais disciplina dentro da sala de aula, melhores resultados em relação às notas, e queremos atrair cada vez mais alunos para terem a mesma oportunidade", explana a madrinha do projeto.

Dedicação

A música tem sido cada vez mais utilizada como uma atividade de apoio a diversos projetos de formação e inclusão, o que colabora significativamente para a diminuição das desigualdades sociais. O projeto MusicArt contribui justamente nesse sentido, ao oferecer oportunidades para que os alunos da comunidade carente em que a escola é localizada possam trilhar o caminho artístico com o respaldo necessário.

Participante do projeto há três anos, a estudante de 17 anos Liliane Cruz enfatiza o significado que a música tem em sua vida desde o seu ingresso no grupo. "É um aprendizado diário, a cada dia aprendo mais, não só sobre música, mas também sobre a convivência em grupo, sobre respeito com as diferenças. A música me levou a enxergar outros horizontes. Para mim é uma honra estar aqui, porque me sinto em casa, nós somos como uma família, aprendemos uns com os outros, e é uma experiência fantástica", afirma.

A sala onde acontecem os ensaios, no primeiro andar da escola, em breve não comportará mais a quantidade de alunos interessados em participar. De acordo com o professor, além dos integrantes oficiais, mais 15 alunos ensaiam separadamente para que, logo mais, possam fazer parte do grupo e das apresentações, que já ultrapassam os limites da escola e chegam às igrejas, praças públicas e teatros.

Assim como Liliane, o aluno e músico Adenilson Tavares, de 14 anos, salienta a importância de ter a chance de participar das aulas e de se desenvolver no ramo musical. "Me sinto muito feliz. Antigamente eu não tinha nada para fazer em casa, e hoje eu me dedico à banda. Estou aqui não só porque é bom para o meu crescimento, mas também porque gosto. É sempre muito bom poder nos apresentar fora daqui para mostrar às pessoas o nosso projeto, mostrar como a gente é", conta o clarinetista.

Texto e imagens reproduzidos do site: aracaju.se.gov.br

Alunos da APAE visitam: Biblioteca Epifânio Dória e Galeria J. Inácio





 




Publicado originalmente no site da SECULT, em 19 de setembro de 2017

Alunos da APAE visitam exposições na Biblioteca Epifânio Dória e na Galeria J. Inácio
 
O grupo foi recebido pelos artistas visuais Antônio da Cruz e Fábio Sampaio

Um grupo de mais de 30 alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE – Aracaju), tiveram a oportunidade de participar de visitas guiadas a duas exposições de artes visuais nesta terça-feira, 19. O artista Antônio da Cruz acompanhou a turma pela sua exposição, “Matrizes, Geratrizes e Derivadas”, instalada na Galeria de Artes J. Inácio, enquanto Fabio Sampaio apresentou para os alunos a sua mostra “l BRAIMSTORMING l (ISONOMIA) > OPUS 4.5 – 平等” que ocupa o hall da Biblioteca Pública Epifânio Dória.

Demonstrando que a arte é uma linguagem universal acessível a todos, os artistas, falaram dos seus trabalhos e escutaram a opinião dos alunos, assim como responderam aos questionamentos que foram surgindo. “A visita da turma foi muito legal, pois cumpriu com minha proposta de ocupação do hall, já que eles interagiram com a exposição. Meu trabalho busca esta interação para além da contemplação. Eu falei o mínimo possível deixando que eles falarem mais para que a imaginação deles fluísse, e de fato, surgiram várias perspectiva que eu ainda não tinha pensado”, contou Fábio Sampaio.

Para mim foi emocionante essa visita pela receptividade e sinceridade deles, pois são pessoas que não tendem a dissimular. Eles logo falaram o que gostaram, o que não gostaram e o por quê. Isso é muito bom. Acho este tipo de atividade necessária porque ajuda na criatividade e a formação das pessoas. Algum deles até me falaram que também desenham, e vendo outros trabalhos eles ficam mais inspirados”, avaliou Antônio da Cruz.

A coordenadora pedagógica da APAE, Jaqueline Sousa, elogiou atividade e o preparo da equipe da BPED para receber os alunos. “Toda vez que tem uma nova exposição, os alunos da APAE vêm. Para eles aqui é um espaço de acolhimento, pois eles já confiam nas pessoas e se sentem bem. A inclusão, de fato, é quando um aluno que faz parte da educação especial, como eles, é incluído no mundo comum. O pessoal da Biblioteca Pública, tanto os funcionários, como os artistas, realmente estão preparados, e isso é visto pelo respeito dado aos alunos, pela forma de tratar e de dialogar com eles”, ressaltou.

O mesmo afirmou o aluno da APAE, Fagner, que disse ter gostado das exposições e do bate-papo com os artistas. “Eu achei muito bonita a exposição, os desenhos e as fotos. O que mais gosto aqui na Biblioteca são as obras de arte. Gosto bastante de fazer passeios, mesmo quando é para estudar, porque todo mundo aqui trata a gente bem”, reforçou.

As exposições segue aberta ao público. Grupos e escolas interessadas em agendar visitas podem entrar em contato pelo telefone (79) 3179-1907 ou 3179 – 1969. A Biblioteca Pública Epifânio Dória está localizada na Rua Dr. Leonardo Leite, s/n, Bairro 13 de Julho, Aracaju.

Texto e imagens reproduzidos do site: cultura.se.gov.br

Epifânio Dória promove oficina de horta orgânica


Publicado originalmente no site do Portal Infonet, em 18/09/2017.

Epifânio Dória promove oficina de horta orgânica

A programação conta ainda com doação de sementes

Para aqueles que pensam que biblioteca é apenas um lugar que guarda livros, já é hora de mudar essa ideia. Nesse sentido, a Biblioteca Pública Epifânio Dória (BPED) irá promover uma série de atividades voltadas para a área ambiental que inclui uma “Oficina de noções práticas de horta e produtos orgânicos”. O curso, que disponibilizará uma turma com 30 vagas totalmente gratuitas, será divido em três datas, com módulos de noções teóricas e práticas de plantio.

A programação inicia no Dia da Árvore, comemorado em 21 de setembro, às 09 horas com uma abertura oficial, distribuição de sementes e uma Roda de Leitura sobre o tema, mediada pelo Grupo Hannah, de contação de histórias. O objetivo do projeto é capacitar e estimular a comunidade de Aracaju para a preservação do meio ambiente, além de atrair novos públicos para a Biblioteca.

Na ocasião, o público também poderá visitar a Exposição BIOTERRA, instalada no terraço da Biblioteca, que é composta por mudas de árvores nativas da Mata Atlântica. As mudas, entre frutíferas e ornamentais, são produzidas por mulheres da Agrovila Santo Antônio, do Assentamento José Emídio dos Santos, localizado no município de Capela.

Todas as atividades são abertas ao público e as inscrições podem ser feitas no local no dia do evento. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (79) 3179- 1907. A Biblioteca Pública Epifânio Dória, unidade da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), está localizada na Rua Dr. Leonardo Leite, s/n, Bairro 13 de Julho, Aracaju.

PROGRAMAÇÃO:

21 de setembro

09h – Abertura da Ação do Dia da Árvore
Local: Auditório da Biblioteca
09h às 17h - Exposição BIOTERRA
Local: Terraço da Biblioteca - 2º andar
9h30 – Roda de Leitura sobre o Dia da Árvore
Mediação: Grupo Hannah Contadores de Histórias
10h30 - Oficina de noções práticas de horta e produtos orgânicos (1º módulo)

26 de setembro

09h – Oficina de noções práticas de horta e produtos orgânicos – (2º módulo)
Local: Terraço da Biblioteca - 2º andar

03 de setembro

09h – Oficina de noções práticas de horta e produtos orgânicos – (2º módulo)
Local: Terraço da Biblioteca - 2º andar

Fonte e foto: Secult.

Texto e imagem reproduzidos do site: infonet.com.br

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Caju grelhado: chef ganha concurso com símbolo sergipano

 Júnior Torres venceu o Enchefs e segue para o Ceará 

Prato de Luciano também contou com caju
Fotos: Divulgação.

Publicado originalmente no site do Portal Infonet, em 16/09/2017.

Caju grelhado: chef ganha concurso com símbolo sergipano

Júnior Torres disputou Enchefs e segue para o Ceará

Após uma acirrada disputa, o chef Júnior Torres foi o vencedor do concurso gastronômico Enchefs-SE com um prato que tem como ingrediente o caju. Além da fruta, que foi servida grelhada com redução de umbu-cajá e cachaça, a refeição contou com carré de cordeiro, molho de inhame cará e brotos de agrião.

Nessa última etapa, os concorrentes deveriam preparar uma proteína (aratu, charque ou cordeiro) se utilizando de pelo menos dois ingredientes da terra: inhame, cachaça ou umbu-cajá. Durante a competição, os participantes precisaram deixar o prato pronto em 90 minutos e o ambiente do Espaço Gourmet da Universidade Tirantes totalmente limpo. Os pratos foram provados às cegas pela chef Suellen Lima e convidados.

Com experiência de 16 anos em vários restaurante sergipanos, o mineiro Júnior Torres usou sua bagagem profissional para criar o prato na hora. Agora, o chef vencedor concorre a uma vaga no Prêmio Nacional Dólmã, que ocorrerá no Ceará.

Mais caju

Na categoria estudantil, o dono do melhor prato foi Luciano Moreira e o caju também esteve presente na elaboração. Nessa categoria, a comida foi banana-da-terra recheada com aratu, salteado na cachaça e molho redução de cachaça com umbu-cajá sob um biscoitinho de caju e gengibre e um crispy de couve.


Por Jéssica França.

*****************************************************

Finalistas do Enchefs disputam vaga para Prêmio Dólmã.

 Somente dois terão vaga no Prêmio Dólmã.

 Kátia e Sullen, destacaram importância 
do evento para culinária local.

Chefs convidados deram palestras e até aulão 
com preparo de pratos especiais
Fotos: Portal Infonet.

Publicado originalmente no site do Portal Infonet, em 16/09/2017

Finalistas do Enchefs disputam vaga para Prêmio Dólmã

Cinco chegam à final e precisam usar ingredientes da terra

O Encontro de Chefs de Sergipe chegou à sua fase mais tensa e saborosa no final da manhã deste sábado, 16. É que de todos os gastrônomos participantes, somente cinco foram para a final – e apenas dois deles terão vaga no Prêmio Dólmã que ocorrerá no Ceará, em novembro deste ano. Desde a sexta-feira os concorrentes vão avançando fases e se superando para agradar o paladar da Chef Suellen Lima e convidados.

Restaram os chefs Dilson Cavalcanti Batista Santos; Giuseppe Santos Oliveira; Fernando Ferreira Fraga; Cármen Luiza Nascimento Cardoso Menezes; Edmarcio Torres Macedo Júnior. A prova final tem alguns itens como desafios. Os concorrentes devem preparar uma proteína (aratu, charque ou cordeiro) se utilizando de pelo menos dois ingredientes da terra: inhame, cachaça ou umbu-cajá.

A regra é preparar o prato em 90 minutos e deixar toda cozinha do Espaço Goumert, na Universidade Tiradentes, totalmente limpo. As refeições serão provadas às cegas por alguns chefes convidados e o resultado sai logo em seguida. Há a indicação de um concorrente dos Chefs e outro por votação.

Esta é a segunda edição do Enchefs em Sergipe e, segundo Suellen, é uma oportunidade mostrar a culinária local para os visitantes e até em outros estados. “A proposta é a sustentabilidade da gastronomia e turismo. Eles [concorrentes] têm que reunir técnica, sabor e profissionalismo, além de mostrar nossa identidade culinária. Por isso as regrinhas”, explicou a Chef.

Por Ícaro Novaes

Textos e imagens reproduzidos do site: infonet.com.br

Articulação para Implantação do Conselho Estadual LGBT



Publicado originalmente no site ASN, em 15 de Setembro de 2017

Secretaria de Inclusão articula com Alese implantação do Conselho Estadual LGBT

O objetivo da criação do Conselho é promover a articulação dos órgãos e entidades envolvidos na efetivação de ações e políticas públicas que assegurem a promoção da cidadania e direitos  da comunidade LGBT

Para discutir o projeto de Lei que instituirá o Conselho Estadual de Cidadania e Direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, e transexuais – CONLGBT, o coordenador estadual dos Direitos Humanos da Secretaria de Estado da Inclusão Social, João Francisco dos Santos, participou de reunião, com a deputada Ana Lúcia e a presidente da ASTRA, Thatiane Aragão, na Assembleia Legislativa de Sergipe.

O objetivo da criação do Conselho é promover a articulação dos órgãos e entidades envolvidos na efetivação de ações e políticas públicas que assegurem a promoção da cidadania e direitos  da comunidade LGBT. Assim como ocorre com os demais conselhos de direitos que exercem o controle social sobre as áreas da criança e do adolescente, idoso, pessoa com deficiência, mulher, assistência social e segurança alimentar, a Seidh será responsável por fornecer o apoio técnico, administrativo e financeiro necessário ao funcionamento do CONLGBT.

O PL determina que o Conselho deve desenvolver ações transversais e parcerias entre o Governo do Estado e a sociedade Civil, apresentando propostas de políticas públicas com o propósito de combater as discriminações e as desigualdades, em detrimento da orientação sexual e identidade de gênero.

Segundo Thatiane Aragão, que também faz parte da mesa diretora do Conselho Nacional LGBT, foi por saber da urgência que pede a implantação do Conselho LGBT no estado, que a coordenadoria de Direitos Humanos da Seidh preocupou-se em se articular com o legislativo estadual. “Pretendemos articular com a deputada uma forma de acelerar o lançamento do conselho e assim começar a atuar em todos os canais de controle sociais, que produzem boas propostas para a sociedade LGBT no Estado”, disse.

De acordo com João Francisco, Coordenador Estadual dos Direitos Humanos da Seidh, o Conselho LGBT vem sendo planejado desde 2016 e o trabalho agora é para que ele seja efetivamente implantado. “Pretendemos tirar esse projeto do papel ainda este ano. Para isso, articulamos essa reunião com a deputada Ana Lúcia. Com esse apoio legislativo pretendemos adiantar o processo e criar de fato o conselho, tão necessário para a sociedade. Ficamos felizes que a deputada tenha abraçado essa causa”, ressaltou.

Texto e imagens reproduzidos do site: agencia.se.gov.br

domingo, 17 de setembro de 2017

Exposição valoriza a tradição das bonecas de pano



Fotos: Danielle Pereira e Jamisson Souza

Exposição valoriza a tradição das bonecas de pano

Por Secom/São Cristovão

O Museu de Arte Sacra de São Cristóvão mantém aberta à visitação do público a exposição "Feitas de Pano", apresentando as tradicionais Bonecas de Pano. A mostra faz parte das festividades em celebração ao mês do Folclore e traz bonecas de artesãs de São Cristóvão e de Nossa Senhora das Dores vestidas com indumentárias de grupos de cultura popular e figuras do cotidiano nordestino. A concepção da exposição ficou por conta do designer de interiores e artista plástico, Jorge Luiz Barreto.

Reisado, Chegança, Taieira, Langa, Bacamarteiros, Samba de Coco e São Gonçalo são as representações culturais homenageadas na exposição . Mas a mostra também traz bonecas com suas vestes tradicionais. De acordo com a diretora do Museu de Arte Sacra, Sayonara Viana, é uma junção de dois importantes elementos da cultura popular. “Esta é uma mostra de valorização de artistas populares. Unimos o artesanato das bonequeiras aos grupos folclóricas, representados aqui pelas indumentárias das bonecas”, explicou.

A exposição fica aberta à visitação até o dia 22 de outubro. O Museu de Artes Sacras de São Cristóvão está localizado na praça São Francisco, Centro Histórico do município. O horário de funcionamento é de terça-feira a sábado, das 10h às 16h, e aos domingos das 9h às 13h. Segunda-feira o museu permanece fechado para manutenção. Valor de entrada R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia entrada para idosos e estudantes). As escolas não pagam pela visitação dos alunos. Mas é necessário um agendamento prévio através do telefone 79 99971-6679 (Sayonara Viana).

Texto e imagens reproduzidos do site: sergipeempauta.com.br