segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Turistas se encantam com lagoas e praias de Pacatuba

Turistas se encantam com lagoas e praias de Pacatuba/SE.
Destino é um oásis com lagoas de um lado e mar do outro.
O destino é conhecido como Ponta dos Mangues.
Foto e Legenda reproduzidos do site: g1.globo.com/jornal-hoje
--------------------
Clique no link abaixo para acessar reportagem:

Praias de Aracaju (SE) encantam turistas

Praias de Aracaju (SE) encantam turistas que buscam lazer e esportes.
Foto reproduzida do site: g1.globo.com/jornal-hoje
--------------------
Clique no link para ver reportagem:

Galeria dos Reitores da Universidade Federal de Sergipe

Foto reproduzida do blog: jornal-contexto.blogspot.com.br

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Parque dedicado a aves de rapina é atração de Itabaiana

Foto ilustrativa reproduzida do site: parquedosfalcoes.com.br

Publicado originalmente no site do Jornal da Cidade, em 30/08/2016.

Parque dedicado a aves de rapina é atração de Itabaiana
Na Serra de Itabaiana, turistas visitam cachoeiras e fazem trilhas na mata.

Por: JornaldaCidade.Net

“Em Itabaiana é possível encontrar diversos roteiros de ecoturismo. A Serra de Itabaiana possui diversas espécies de plantas, trilhas, faunas, além do Poço das Moças e do Parque dos Falcões. Os moradores do município são muito hospitaleiros e estão aguardando a visita dos turistas que, depois de conhecer as belezas naturais, têm que experimentar o churrasco mais gostoso do Brasil”, convida o guia de turismo Marcos Mota.

Parque dos Falcões.

Na entrada da Serra de Itabaiana está localizado o Parque dos Falcões. Seu fundador, José Percílio, possui uma relação de amor e carinho com as aves que cria e recupera: falcões, gaviões, carcarás e corujas. O parque é um dos poucos locais do país com autorização do Ibama para a criação dessas aves em cativeiro. Com o objetivo de proteger as espécies de aves de rapina que habitam o céu brasileiro, o Parque dos Falcões tornou-se uma referência mundial no manejo, reprodução e reabilitação desses animais, acumulando um grande conhecimento sobre o seu comportamento.

“É a primeira vez que venho ao parque e amei esse contato com a natureza. Um trabalho realizado com muito amor e dedicação, a luta pela preservação ambiental deve ser de todos. Volto para o Sul divulgando esse lugar encantador”, elogia Ademilson dos Santos, que mora em Curitiba.

Texto reproduzido do site: jornaldacidade.net

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe - "A Casa de Sergipe"

Fonte: Acervo do IHGSE.
Foto e Legenda reproduzidos do site: expressaosergipana.com.br

Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe - "A Casa de Sergipe"

Alguns membros fundadores do IHGSE – 1912.
Fonte: Acervo do IHGSE.
Foto e Legenda reproduzidos do site: expressaosergipana.com.br

Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe - "A Casa de Sergipe".


Publicado originalmente no site Expressão Sergipana, em 01/08/2016.

Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe - "A Casa de Sergipe" completa 104 anos. (mês de agosto de 2016).

O IHGSE foi o início da emancipação científica e cultural de Sergipe, quando começa os debates e estudos sobre Sergipe e o seu povo. Inicialmente, seus membros se reuniam no salão do antigo Tribunal de Relação (hoje Tribunal de Justiça)

De Osvaldo Ferreira Neto

No ultimo sábado, 06 de agosto, uma das instituições científicas mais importante de Sergipe completou 104. Que instituição é essa? O IHGSE – Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, carinhosamente referidos por pelos intelectuais sergipanos como “A Casa de Sergipe”. Foi criado em 06.08.1912 por Florentino Teles de Menezes (1886-1959) e mais 21 personalidades, sendo que a grande maioria delas eram bacharéis em Direito, como uma associação civil sem fins lucrativos, no sentido de zelar pela memória, estudos históricos e estudos geográficos do Estado, coletando documentos, discutindo problemas culturais e produzindo saber através de sua Revista publicada desde 1913.

O IHGSE foi o início da emancipação científica e cultural de Sergipe, quando começa os debates e estudos sobre Sergipe e o seu povo. Inicialmente, seus membros se reuniam no salão do antigo Tribunal de Relação (hoje Tribunal de Justiça), por sinal seu primeiro presidente foi o Desembargador João da Silva Melo.

Ao longo da história desta instituição, a construção da sua sede própria, iniciada em 17/03/1934, durante a gestão do presidente Nobre de Lacerda, foi um acontecimento de grande importância. Desde a sua fundação o instituto ocupou vários espaços, muitas vezes cedidos por outras instituições a exemplo do Palácio do Governo e do salão de conferências da Biblioteca Pública até a entrega da sua sede. No entanto, a construção da sede do IHGSE foi bastante dificultosa para seus principais idealizadores, o presidente e tesoureiro do período Nobre de Lacerda e Epifânio Dória (gestão 06/08/1927 – 28/06/1935), respectivamente.

A construção da sede foi realizada através de doações, mas seu andamento foi bastante prejudicado pelo contexto político, sobretudo pelos desdobramentos da Revolução de 1930 que dificultou a liberação de recursos do governo para a obra. O projeto foi elaborado pelo construtor alemão Arendt Von Altenesch, desembarcado da Argentina, que projetava vários edifícios na pequena Aracaju nos anos 30 e divulgava entre nós o estilo Art-déco, que pregava a adesão de formas geométricas regulares. No ano de 1935 a obra foi paralisada devido à morte de Nobre de Lacerda, sendo reiniciada em 1937 e finalmente inaugurada em 02/04/1939.

No Instituto tem um auditório de 450 cadeiras muito importante e histórico no Centro da nossa capital. Nele aconteceram grandes formaturas dos diversos ensinos. O IHGSE foi espaço de fomento de debates sobre a criação da Universidade Federal de Sergipe e também é neste auditório que ocorreu e ocorrem as grandes assembleias do SINTESE.

Esta instituição foi palco de relevantes debates. Como por exemplo os debates sobre os limites Sergipe e Bahia; sobre a nomenclatura correta do rio que margeia Aracaju, que era chamado por muitos de Rio Cotinguiba, até porque achavam que o Rio Sergipe era afluente do Rio Cotinguiba e se provou o contrario e entre outros temas.

Bom lembrar que a Instituição que debatia muitos temas progressistas só teve uma presidente até hoje que foi a professora doutora Maria Thétis Nunes, que por sinal passou mais tempo gerindo a Casa de Sergipe, de 1971 – 2003. No quadro de 19 presidentes dentre os quais: Almirante Amintas José Jorge, o grande Epifânio da Fonseca Dória, doutor João Batista Perez Garcia Moreno, historiador Felte Bezerra, José Ibarê Costa Dantas e o pesquisador José Calazans Brandão da Silva, hoje o IHGSE é presidido por um jovem historiador o professor Samuel Barros de Medeiros Albuquerque.

Vale a pena conhecer o Instituto, pois além de contar muita história, o prédio abrigar o Museu Galdino Bicho, o mais antigo do estado em funcionamento. Além da bela Pinacoteca Jordão de Oliveira com um grande acervo de obras de artistas da Academia de Belas Artes do Rio de Janeiro. A biblioteca comporta aproximadamente 43.000 volumes de livros e de periódicos, dos quais 9.247 pertencem à sessão sergipana, uma das mais importantes do estado. Temos também a hemeroteca e a loja. Vale muito a pena conhecer esse baluarte do conhecimento e da cultura. Fica na Rua Itabaianinha, nº 41, no Centro de Aracaju em frente à agência central do Banco do Nordeste.

Texto e imagens reproduzidos do site: expressaosergipana.com.br

Fotos: Acervo do IHGSE.