domingo, 5 de julho de 2015

Grupo de Bacamarteiros de Carmópolis, Patrimônio Imaterial

Grupo dos Bacamarteiros de Carmópolis.

Cultura em 28/05/2015 > por Bareta.

Conselho de Cultura aprova registro do Grupo de Bacamarteiros de Carmópolis como Patrimônio Imaterial.

O Conselho Estadual de Cultura aprovou a indicação de registro do Grupo de Bacamarteiros do município de Carmópolis como patrimônio imaterial de Sergipe. Participaram da reunião realizada nesta terça-feira, 26, além dos membros do conselho o secretário de Estado da Cultura, Elber Batalha, o secretário de Comunicação e cultura do município de Carmópolis, Cristiano Mendonça, o vereador autor da solicitação, Alexandre Magalhães, e a coordenadora do grupo dos Bacamarteiros, Cilleia Oliveira.

Responsável pela apresentação do projeto, o secretário Cristiano Mendonça explicou que a aprovação da indicação é um passo importante para a preservação da cultura do estado, visto que o grupo é uma das manifestações culturais mais tradicionais de Sergipe. “É um grupo tradicional que vem da herança dos escravos. Foi passada de pai para filhos, continua mantendo suas tradições e é um grupo reconhecido não só em Sergipe, mas em todo Brasil, com participação em festivais de folclore nacionais. Sentimos a necessidade de torná-lo um patrimônio imaterial do estado”, relata.

O secretário de Estado da Cultura, Elber Batalha, ressaltou que o grupo merece o reconhecimento devido o seu valor cultural. “É uma manifestação cultural que é extremamente significativa, data de mais de 200 anos de existência e é um projeto que merece um reconhecimento pelo valor cultural e histórico que esse projeto tem”.

Segundo o vereador Alexandre Magalhães, o grupo representa a cultura do estado, e, por isso, a ideia de registrar o grupo dos bacamarteiros como bem imaterial do estado é importante. “O Conselho Estadual de Cultura solicitou os documentos, nós enviamos e fomos convocados para fazer a apresentação de como é toda estrutura do grupo para que os conselheiros apreciem e sejam levadas para a Assembleia Legislativa para que os deputados possam votar”.

Tradição

Criado por volta de 1780, o grupo surge dos negros dos Engenhos de cana-de-açúcar do Vale do Cotinguiba que brincavam samba-de-roda e atiravam com uma arma artesanal conhecida como Bacamarte. Os instrumentos musicais são fabricados com a madeira do jenipapo, couro de animais e sementes.

A tradição foi passada de pais para filhos tanto é que a atual coordenadora do grupo de bacamarteiros de Carmópolis, Cilleia Oliveira, que influenciada pelo seu pai, faz parte grupo há 29 anos. Para ela, a aprovação irá promover a manutenção da cultura local. “É uma maneira de manter a cultura do nosso estado viva, e, desta forma, o estado está promovendo a manutenção dos grupos. Esse apoio é e de suma importância não só com nossos grupos, mas com outros grupos do nosso estado”, acredita.

Texto e imagem reproduzidos do sitedobareta.com.br/cultura

sábado, 4 de julho de 2015

Antigo presídio de Aracaju, Bairro América, em Aracaju


Fotos reproduzidas do Google.

Antigo presídio de Aracaju, Bairro América, em Aracaju/SE.


"Inaugurado na tarde do dia 12 de outubro de 1926, o Presídio de Aracaju, localizado no bairro América, começou a ser construído três anos antes, no governo de Graccho Cardoso. O projeto foi do jovem e distinto engenheiro Dr. Arthur Araújo, tendo sua pedra fundamental batida no dia 05 de outubro de 1923. Segundo o pesquisador e historiador Luiz Antonio Barreto, a construção chamada de Penitenciária Modelo, pelo então governado,r foi idealizada pelo imigrante italiano Hugo Bozzi, que também construiu o prédio da procuradoria do Estado, a primeira construção de concreto armado em Sergipe (...)" . (Fonte: Bruno Antunes/Portal Infonet).

A bela vista de Aracaju do rio Sergipe




Fotos: Sílvio Oliveira.

Infonet > Blog Silvio Oliveira >30/04/2015.

Aracaju (SE): Vista do rio Sergipe.

A bela vista de Aracaju do rio Sergipe
Por Silvio Oliveira.

Você já observou a bela vista de Aracaju tendo como ponto o rio Sergipe? Não? Então é hora de embarcar em um roteiro ainda pouco divulgado e procurado por sergipanos e turistas: o passeio sobre as águas do rio Sergipe.

Aracaju (SE) não difere das demais capitais do país quando a opção é conhecê-la por meio do rio que a margeia. O passeio poderá ser feito partindo de um atracadouro na avenida Beira-Mar, nas proximidades do Iate Clube de Aracaju, com a contratação de um serviço especializado de uma agência de turismo de receptivo.

Caso tenha tempo e queira uma aventura, o visitante também poderá negociar com uma das embarcações típicas, denominadas de tó-tó-tós, na região dos mercados centrais, mas não se esqueça de pedir o registro da Capitania dos Portos e consultar um guia de turismo. Muitas dessas embarcações estão autorizadas a fazer pequenos trajetos que além de passear sobre as águas do rio Sergipe, também adentram em parte do leito do rio Poxim.

O passeio contempla uma bela vista da capital sergipana com as avenidas Rio Branco e Centro da cidade, além da famosa ponte do Imperador e moderna ponte Construtor João Alves e orlinha do bairro Industrial.

Verifique a beleza do Iate Clube de Aracaju, um dos únicos do gênero do País ainda em funcionamento. Observe a linha do horizonte entrecortada por prédios no bairro 13 de julho. Passear pelo rio Sergipe é um roteiro que harmoniza entre natureza e arranha-céus de uma cidade em desenvolvimento.

O roteiro poderá contemplar ainda a vista de bancos de areia nas proximidades de um shopping e de um hotel, além de curtir a vista dos parques da Sementeira e dos Cajueiros, já localizados no leito do rio Poxim.

Caso o passeio seja feito no turno da tarde, o entardecer emoldurará com os raios do sol uma boa parte da cidade fazendo do roteiro um dos mais belos para contemplar o Rei Sol. O fim de tarde irá proporcionar uma bela vista da capital entre manguezais. Se o dia for propício ainda poderá ter o prazer de ser acompanhando por golfinhos e gaivotas. A natureza é generosa, o turismo proporciona ao homem contemplá-la. O que está esperando?

Texto e imagens reproduzidos do site: infonet.com.br/silviooliveira

Banda Calcinha Preta, no Forró Caju 2015



Fotos: Marcos Borges.
Reproduzidas do site: aracaju.se.gov.br

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Festejos Juninos em Sergipe - Fogos

Barracas de fogos montadas no Bairro
Coroa do Meio, em Aracaju - Sergipe.
Foto: Tássio Andrade/G1.
Reproduzida do site: g1.globo.com/se/sergipe

Festejos Juninos em Sergipe (2015)

 

Venda de fogos e milho verde.
Foto reproduzida do site: jornaldodiase.com.br

Joca é filho de Propriá e se orgulha de ser sergipano

De Propriá para o mundo, Joca traduz os traços típicos do sertão.
Crédito - Arthuro Paganini.

Infonet > São João > 30/06/2015.

"Pintor do sertão" atrai visitantes no Arraiá do Povo
Joca é filho de Propriá e se orgulha de ser sergipano

O Arraiá do Povo também foi cenário das artes plásticas. Que o diga o pintor Joca, natural de Propriá e sergipano com muito orgulho. Durante todos os dias de evento, Joca esteve em um dos stands do Arraiá, atraindo visitantes curiosos, motivados pela beleza dos quadros que retratam o contexto junino e a cultura nordestina. Através de sua arte, Joca deve viajar ainda neste ano para Viena, na Áustria, para uma exposição ainda sem data prevista.

Com traços próprios e cores vivas, Joca – apelido de infância de Josival Soares Silva Feitosa – traduz paisagens e situações típicas do Nordeste. “Onde quer que eu vá, pinto minha raiz. São as mulheres lavando roupa, o agricultor na labuta, o moleque jogando bola no quintal... Tenho muito orgulho de dizer que sou nordestino”, diz.

Joca é conhecido como “o pintor do sertão”, e faz jus ao título. “Sou sertanejo, filho de pescador e de agricultora, e desde pequeno eu me perdia naquele mundo do sertão. Aquela vastidão de cores, a cor ocre da terra, a gama de verdes... Isso foi me deixando maravilhado, até que conheci as tintas”, revela.

O pintor conta como conheceu e se apaixonou pelas artes plásticas. “Quando eu tinha oito anos, me deparei com nada mais nada menos do que Florival Santos, irmão de Álvaro Santos, pintando a entrada da minha cidade. Sentei do lado e ele me desenhou. Para mim isso foi fantástico, nunca mais quis parar e sou muito feliz com o que faço”, relata.

O Arraiá do Povo, segundo Joca, permitiu um contato especial com o público. “Vendi tudo o que está exposto. Viajo muito pelo Brasil e ainda não vi uma festa tão organizada e tão bela como essa. O acolhimento foi fantástico, o nordestino e o sergipano são um povo maravilhoso, festeiro”, considera.

Por Nayara Arêdes.

Texto e imagem reproduzidos do site: infonet.com.br/saojoao/2015

"Barco de Fogo, nos Festejos Juninos em Estância

"Barco de Fogo, uma das mais tradicionais manifestações culturais do Berço da Cultura Sergipana. O Barco de Fogo é uma alegoria pirotécnica artesanal recheada com muitos fogos de artifícios - que se movimenta de um lado para o outro, em um arame, no percurso de 200 a 300 metros mais ou menos". (estancia.se.gov.br).

Texto e imagem reproduzido do site: estancia.se.gov.br

Vendeores no Forró Caju 2015


"Para muita gente, Forró Caju é sinônimo de festa, alegria e muito forró no pé. Porém para muitos, o evento é muito mais do que isso. Diversas pessoas comprometidas com o evento trabalham duro nesta época, aproveitando a oportunidade para conseguir uma renda extra durante um terço do mês...". (aracaju.se.gov.br)

Foto: Ana Lícia Menezes.
Reproduzida do site: aracaju.se.gov.br

Festejos Juninos - Forró Caju 2015.

Fotos reproduzidas do Facebook/Prefeitura de Aracaju.